O significado do silêncio.

15 de ago - Artigo - POR Ana Kelly Martinez

O mundo está cheio de conceitos sociais, imagens, movimentos, luzes e sons que me confundem ou me dispersam do que tem valor real para mim. O que me conforta é que isso não acontece apenas comigo, há muitas pessoas que conheço que também sentem o mundo cheio e até sufocante em alguns momentos.

Me pergunto como faço para me colocar distante desta loucura que vivenciamos todos os dias?

Encontro resposta nos momentos de silêncio, onde procuro encontrar o meu vazio. Parece coisa de filósofo, mas não sou filosofa, sou uma mulher que busca entender como posso ser melhor a cada dia, uma coisa eu descobrir, quanto mais expresso o que sinto mais compreendo o que se passa dentro de mim.

Só que a expressão que me refiro não é necessariamente vinculada a forma direta de comunicação representada pela fala, ela pode ser representada pelo silêncio. No silêncio sentimos como pulsamos quando respiramos, no silêncio ouvimos os sons mais distantes de nós, no silêncio percebemos o som mais sutil do nosso corpo, no silêncio se faz o encontro com o vazio que traz leveza e suavidade.

Há três anos atrás eu passei por uma separação, foi uma das situações mais difíceis da minha vida. Foi com a ajuda do silêncio que encontrei meu equilíbrio para retomar a vida como ela deveria ser. Eu pratiquei o silêncio uma vez por semana por um período de 3 meses. Me colocava em total silêncio, isso significava que não usava nenhum tipo de meio de comunicação, avisava todos a minha volta que não poderia falar, não usava nenhuma outra forma de comunicação como por exemplo, a escrita, era apenas eu e o silêncio que com o tempo se tornou um vazio completo.

A minha descoberta

Foi a conexão com a sensação do tempo e do espaço, me situando em quem eu queria ser no aqui e agora, não no meu futuro ou no meu passado, assim quando retornava ao agito da expressividade, vinha uma outra faceta minha que só me fazia mais feliz, alegre, empática e segura.

Depois eu descobri que há uma palavra japonesa que representa essa sensação que vivenciei com o exercício do meu silêncio, é chamada de MA que significa vazio, é isso mesmo vazio.

O cineasta Miyazaki fala que “Vazio. Isso está lá intencionalmente.”

Tenho que concordar com o Miyazaki, o vazio está em nós, contudo o barulho que relato no início do texto não nos permite estarmos em conexão com ele, vamos perdendo as conexões que nos fazem alegres, divertidos, leves, suaves e conectados com o que verdadeiramente tem valor para nós.

Quero te convidar para assistir o vídeo Hayao Miyazaki: A Importância do Vazio. Para que você possa perceber o quanto o vazio está em nosso cotidiano.

Obrigada por ficar comigo até agora.

Abraço.

Ana Kelly

Compartilhe

Comentários

Comentários

  1. Maialu da Luz disse:

    Olá minha amiga querida. Bonito texto! Parabéns!
    Quero assistir o filme sim e passo por aqui tbm para deixar uma dica de livro p vc.
    "O barco vazio." Osho
    Um beijo grande p vc!

  2. Marcos disse:

    Gostei do texto
    Muito bom
    bela reflexão

  3. Walter disse:

    Muito significativo seu texto, Ana. Obrigado por compartilhar! A experiência do silêncio - calando o murmúrio incessante do continuum mental - é o escopo da meditação, colocando-nos em conexão com nosso corpo búdico, intuicional. Parabéns por essa vivência maravilhosa, que imagino fazer parte do seu dia a dia, ou pelo menos voltando a ela sempre que deseja!!!

  4. Izabella de Castro Ramos disse:

    Artigo muito bom. Sensível, verdadeiro e inspirador. Gratidão!

  5. Mareide Lopes de Arruda disse:

    Ah, minha amiga querida, como é bom te ler!! Seu texto nos convida a refletir sobre o(s) outro(s) que nos constituem e nos potencializam ou não, na trajetória dessa vida. Gratidão por compartilhar! Você é parte de minha (re) constituição atual! Bjsss!

  6. Áureo disse:

    Lindo texto, temos que recusar o que nos rouba o tempo, a paz, o silêncio, o contato íntimo!

Comente